Anuncie

Agora, GDF diz que vai tirar dinheiro de onde for para obra do viaduto


O GDF vai tirar dinheiro de onde for para bancar as obras do viaduto que desabou nessa terça-feira (6/2) no Eixão Sul, na Galeria dos Estados. Foi o que disseram, nesta quarta (7), o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio, e o diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), Henrique Luduvice. O discurso chega com atraso, já que o governo recebeu pelo menos sete alertas nos últimos oito anos sobre a necessidade de reparos na construção.

“Vamos atender qualquer solicitação necessária. Vamos fazer o escoramento e, a partir desse escoramento, analisar se é possível recuperá-lo ou se teremos que demoli-lo e construir nova estrutura”, disse Sampaio, após reunião no Palácio do Buriti.

De acordo com ele, o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-DF) e a Universidade de Brasília (UnB) vão definir quais as prioridades, apontar as estruturas mais vulneráveis e qual o tempo necessário para resolver cada um dos problemas. “Isso é prioridade e o dinheiro aparecerá de onde quer que seja. De onde tiver que tirar recursos, nós vamos tirar para fazer essas obras, que são emergenciais”, reforçou

Questionado sobre o custo das obras, o diretor do DER informou que os valores estão sendo levantados. “Será caracterizada situação de emergência e nós vamos poder fazer as intervenções necessárias”, garantiu Luduvice, que também participou da reunião durante toda a manhã.

Mané Garrincha
No jogo de empurra-empurra sobre a responsabilidade pelo desabamento do viaduto do Eixão Sul sobrou até para o Mané Garrincha. O chefe da Casa Civil  foi curto e grosso: “Construíram um estádio de R$ 2 bilhões e deixaram a cidade à míngua”.

Sampaio não poupou críticas às gestões anteriores do Palácio do Buriti. “Problemas se acumulam há muitos anos e vários governos não fizeram nada”, disse.

Mais uma vez, ele lembrou das dificuldades financeiras quando o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) assumiu o GDF e explicou que, com o orçamento curto, foram eleitas prioridades. Na questão dos viadutos, por exemplo, citou que os recursos disponíveis — cerca de R$ 67,7 milhões — foram utilizados na reforma das estruturas do complexo da Rodoviária.

“Atuamos na área por ser mais delicada. Trata-se de uma região em que circulam mais de 750 mil pessoas por dia. Se houvesse algum problema lá, seria uma catástrofe”, pontuou.

 

07 fev 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

STJ pode mandar 197 processos sobre autoridades a instâncias inferiores

STJ pode mandar 197 processos sobre autoridades a instâncias inferiores

em Política

Corte decide na próximas semana se adota entendimento do STF de restringir o foro privilegiado para deputados e senadores

Daniel Alves está fora da Copa do Mundo

Daniel Alves está fora da Copa do Mundo

em Esporte

A comissão técnica da CBF avaliou o jogador e concluiu que ele não terá condições de disputar o Mundial da Rússia

Para manter Lula candidato, PT pode recorrer a tratados internacionais

Para manter Lula candidato, PT pode recorrer a tratados internacionais

em Política

Entre as medidas está um recurso baseado no Pacto de San José da Costa Rica, que estabelece que só pode ser impedido de se candidatar aquele que já esgotou todos os recursos possíveis

Petrobras volta a ser a maior empresa da Bolsa em valor de mercado

Petrobras volta a ser a maior empresa da Bolsa em valor de mercado

em Economia

Em meio à crise financeira e escândalos de corrupção, a petroleira caiu para a 3ª posição em 2014, ficando atrás da Ambev e do Itaú Unibanco

Anuncie