Anuncie

Agora, GDF diz que vai tirar dinheiro de onde for para obra do viaduto


O GDF vai tirar dinheiro de onde for para bancar as obras do viaduto que desabou nessa terça-feira (6/2) no Eixão Sul, na Galeria dos Estados. Foi o que disseram, nesta quarta (7), o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio, e o diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), Henrique Luduvice. O discurso chega com atraso, já que o governo recebeu pelo menos sete alertas nos últimos oito anos sobre a necessidade de reparos na construção.

“Vamos atender qualquer solicitação necessária. Vamos fazer o escoramento e, a partir desse escoramento, analisar se é possível recuperá-lo ou se teremos que demoli-lo e construir nova estrutura”, disse Sampaio, após reunião no Palácio do Buriti.

De acordo com ele, o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-DF) e a Universidade de Brasília (UnB) vão definir quais as prioridades, apontar as estruturas mais vulneráveis e qual o tempo necessário para resolver cada um dos problemas. “Isso é prioridade e o dinheiro aparecerá de onde quer que seja. De onde tiver que tirar recursos, nós vamos tirar para fazer essas obras, que são emergenciais”, reforçou

Questionado sobre o custo das obras, o diretor do DER informou que os valores estão sendo levantados. “Será caracterizada situação de emergência e nós vamos poder fazer as intervenções necessárias”, garantiu Luduvice, que também participou da reunião durante toda a manhã.

Mané Garrincha
No jogo de empurra-empurra sobre a responsabilidade pelo desabamento do viaduto do Eixão Sul sobrou até para o Mané Garrincha. O chefe da Casa Civil  foi curto e grosso: “Construíram um estádio de R$ 2 bilhões e deixaram a cidade à míngua”.

Sampaio não poupou críticas às gestões anteriores do Palácio do Buriti. “Problemas se acumulam há muitos anos e vários governos não fizeram nada”, disse.

Mais uma vez, ele lembrou das dificuldades financeiras quando o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) assumiu o GDF e explicou que, com o orçamento curto, foram eleitas prioridades. Na questão dos viadutos, por exemplo, citou que os recursos disponíveis — cerca de R$ 67,7 milhões — foram utilizados na reforma das estruturas do complexo da Rodoviária.

“Atuamos na área por ser mais delicada. Trata-se de uma região em que circulam mais de 750 mil pessoas por dia. Se houvesse algum problema lá, seria uma catástrofe”, pontuou.

 

07 fev 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Brasil fica em penúltimo em pesquisa sobre simpatia de vendedores

Brasil fica em penúltimo em pesquisa sobre simpatia de vendedores

em Brasil

Pesquisa aponta que 79% dos funcionários sorri ao ver um cliente entrar na loja. Na Irlanda, país que ficou em primeiro lugar, o percentual é 97%.

Menina de 11 anos sente dores no estômago e descobre que está dando à luz

Menina de 11 anos sente dores no estômago e descobre que está dando à luz

em Mundo

Caso aconteceu na Espanha e polícia descobriu algo aterrorizante sobre o caso.

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

em Cultura

Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade

STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes

STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes

em Política

Cármen Lúcia avisou entidades da magistratura que deve colocar o assunto em pauta no plenário durante o mês de março

Anuncie