Anuncie

Collor confirma pré-candidatura à presidência da República


O Senador pelo PTC-AL e ex-Presidente da República Fernando Collor de Melo, confirmou em Plenário a sua pré-candidatura à Presidência da República. O anúncio foi realizado em um dos primeiro discurso do ano na Tribuna da Casa, nesta terça-feira, 6.

Collor gastou pouco mais de vinte e dois minutos em sua fala e apenas oito colegas assistiram ao seu anúncio. O ex-Presidente frisou que seria um ato de covardia não sair candidato à presidência da República no Pleito deste ano e disse ainda ser uma alternativa ao centro democrático, progressista e liberal.

O Senador já havia anunciado a possibilidade de sair candidato em entrevista a uma emissora de rádio de Arapiraca, interior de Alagoas. Em sua fala, ele havia mencionado a falta de opções do centro político do País e que sua pré-candidatura preencheria um vazio histórico.

O discurso

Collor em seu pronunciamento citou, “conquistas que fazem parte de um portfólio de realizações incontestáveis”. Ele frisou ainda ter convicção “sobre qual o melhor rumo para o Brasil”, da mesma forma tinha quando presidiu o País em 89.

O ex-Presidente tratou, ainda, o País como “obra gigantesca” que necessita de “maturação social” e “que  que clama por estabilidade institucional e que suplica por determinação política”.

Ao citar o período em que esteve como chefe do Planalto, ele advogou as medidas progressistas e liberaiscapaz de promover as mudanças demandadas pelo povo brasileiro”. Para ele, a interação entre os setores público e privado é um "mandamento do Estado Moderno".

Na tribuna do Senado, Collor citou ainda o filósofo alemão Arthur Schopenhauer e exaltou o período em que foi presidente, e lembrou quando se lançou candidato quando enfrentou 22 concorrentes ao Planalto, logo após a reabertura política. Para este ano, são 17 os pré-candidatos.

Histórico

Fernando Collor foi eleito presidente em 1989, na primeira eleição presidencial direta desde 1960, após o regime militar. Em 1992 sofreu um processo de impeachment que o tirou do cargo, em razão de um escândalo de corrupção envolvendo o tesoureiro de sua campanha, Paulo César Farias. PC Faria foi encontrado morto anos depois, ainda hoje sem esclarecimento.

O ex-Presidente foi absolvido em diversos processos no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele afirma ter sido injustiçado no processo de impeachment. O senador, também foi governador de Alagoas.

Réu na Lava-Jato

Atualmente é réu no STF em uma ação penal ligada à operação Lava Jato, apresentada em agosto de 2015 pela Procuradoria Geral da república (PGR). Ele foi acusado dos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, baseado nas delações da Odebrecht. Collor afirmou que, como ocorreu no passado, terá a oportunidade de provar sua inocência.

Guilherme Rocha

Redação Play 1, O País e De Brasília

06 fev 2018


Por Guilherme Rocha
Anuncie

Artigos Recentes

STJ pode mandar 197 processos sobre autoridades a instâncias inferiores

STJ pode mandar 197 processos sobre autoridades a instâncias inferiores

em Política

Corte decide na próximas semana se adota entendimento do STF de restringir o foro privilegiado para deputados e senadores

Daniel Alves está fora da Copa do Mundo

Daniel Alves está fora da Copa do Mundo

em Esporte

A comissão técnica da CBF avaliou o jogador e concluiu que ele não terá condições de disputar o Mundial da Rússia

Para manter Lula candidato, PT pode recorrer a tratados internacionais

Para manter Lula candidato, PT pode recorrer a tratados internacionais

em Política

Entre as medidas está um recurso baseado no Pacto de San José da Costa Rica, que estabelece que só pode ser impedido de se candidatar aquele que já esgotou todos os recursos possíveis

Petrobras volta a ser a maior empresa da Bolsa em valor de mercado

Petrobras volta a ser a maior empresa da Bolsa em valor de mercado

em Economia

Em meio à crise financeira e escândalos de corrupção, a petroleira caiu para a 3ª posição em 2014, ficando atrás da Ambev e do Itaú Unibanco

Anuncie