Anuncie

Com prisão de Lula, mercado vê chance maior de agenda reformista


As chances cada vez mais remotas de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concorrer na eleição presidencial deste ano, após o STF (Supremo Tribunal Federal) negar o pedido de habeas corpus da defesa do petista na quarta-feira (4), injetaram otimismo no mercado financeiro nesta quinta-feira (5).

O juiz da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, mandou, no fim do dia, quando a Bolsa já havia fechado o pregão, o ex-presidente se apresentar em Curitiba para o início do cumprimento da pena.

A reação do mercado pôde ser percebida logo no início dos negócios, quando a Bolsa chegou a subir mais de 2% e o dólar caiu 1,3%. Ao longo do pregão, o ritmo de alta ficou moderado.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, teve alta de 1,01% e foi a 85.209 pontos. O dólar fechou estável, a R$ 3,34.

A leitura é que, sem Lula na disputa e com possibilidades reduzidas de ele conseguir transferir sua popularidade a um candidato de esquerda, aumenta a chance de vitória de um nome alinhado à agenda reformista.

"Abre espaço para um candidato de centro ou reformista aparecer mais. O Lula, calado, com uma prisão nas costas, não pode subir muito em palanque. Muito provavelmente não vai transferir sua popularidade. Ele não elege mais poste", afirmou Alvaro Bandeira, economista-chefe da Modalmais.

Para o cientista político Carlos Melo, professor do Insper, o cenário ainda é incerto. "Tudo vai depender do enquadramento da foto da prisão. Vai ter uma disputa de narrativa da prisão, se foi preso um corrupto ou mártir."

Ele avalia ainda que a decisão do STF não mudou o panorama eleitoral, porque o PT não havia definido seu candidato.

"A esquerda perdeu seu nome natural, sua referência. Agora, vai ter de testar alguns nomes para saber quem vai ter alguma viabilidade eleitoral. A dúvida é se a esquerda vai com três ou quatro candidatos, como o centro, ou se vai haver aglutinação natural em torno de algum nome", afirmou.

Marcelo Faria, gestor de renda variável da Porto Seguro Investimentos, disse que a influência da eleição sobre o mercado deve ganhar força a partir do fim de maio. "Dá um certo tempo para o mercado operar em cima das notícias econômicas."

Para Rafael Guedes, diretor no Brasil da agência de classificação de risco Fitch, a ordem de prisão de Lula causa mais barulho para a corrida presidencial. "Isso vai colocá-lo ainda mais em evidência."

EXTERIOR

Além da decisão do STF, os mercados reagiram à trégua nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. As principais Bolsas europeias subiram mais de 2%, e os indicadores americanos também fecharam no azul.

A melhora ocorreu após um assessor econômico do americano Donald Trump afirmar que o governo estava em negociações com o gigante asiático e não pretendia se envolver em uma guerra comercial entre as duas economias gigantes. Com informações da Folhapress. 

06 abr 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Kroton fecha compra da Somos Educação por R$ 4,6 bilhões

Kroton fecha compra da Somos Educação por R$ 4,6 bilhões

em Economia

A compra do controle da Somos foi realizada por meio da holding Saber, criada pela Kroton para incorporar ativos de educação básica

Com mais R$ 400 mi por ano, Messi é o mais bem pago do mundo

Com mais R$ 400 mi por ano, Messi é o mais bem pago do mundo

em Esporte

A revista francesa destaca que pela primeira vez desde que passou a fazer levantamento (há 20 anos), um atleta recebe mais de 100 milhões de euros por temporada

Marcos Valério: 'As facções criminosas estão dentro dos partidos'

Marcos Valério: 'As facções criminosas estão dentro dos partidos'

em Política

Na prisão, onde cumpre pena no processo do mensalão, o publicitário ainda fala sobre a prisão de Lula e o sistema carcerário brasileiro

Pré-candidatos ao Planalto somam mais de 160 investigações

Pré-candidatos ao Planalto somam mais de 160 investigações

em Política

Processos vão de crimes políticos investigados pela Lava Jato, a agressões verbais e infrações de trânsito

Anuncie