Anuncie

Contrato investigado é o mesmo que Odebrecht diz que negociou com Temer


O contrato investigado na nova fase da Lava Jato, deflagrada nesta terça (8), é o mesmo que a Odebrecht disse ter negociado com o presidente Michel Temer (MDB) em 2010 em troca de propina.

O contrato internacional, o PAC-SMS, foi firmado em 2010 entre a Petrobras e a Odebrecht e envolvia levantamentos de segurança, meio ambiente e saúde em nove países onde a estatal atua. O valor do contrato foi de mais de US$ 825 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões).

O ex-presidente da Odebrecht Engenharia Márcio Faria disse em delação que o MDB negociou propina de 5% do contrato, correspondente a US$ 40 milhões (cerca de R$ 142 milhões).

Segundo ele, houve um encontro com Temer, quando vice de Dilma Rousseff (PT), e outras pessoas, como o ex-deputado Eduardo Cunha, para tratar do acordo. Faria disse que, nesta ocasião, não se falou em valores, mas que ficou claro que se tratava de propina relacionada ao contrato, e não de contribuição de campanha.

Em entrevista à imprensa na manhã desta terça, a força-tarefa da Lava Jato no Paraná confirmou que o contrato é o mesmo, mas que os procuradores de Curitiba têm como competência investigar apenas agentes que não contam com foro especial.

Segundo a Procuradoria, o repasse de propina superou US$ 56,5 milhões de dólares (cerca de R$ 200 milhões) e se estendeu de 2010 a 2012. A propina, de acordo com a acusação, foi recebida por executivos da estatal e agentes que se apresentavam como intermediários do MDB.

Os pagamentos teriam sido realizados por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht (conhecido como o setor de propinas), de operadores financeiros e de doleiros, especialistas em lavagem de dinheiro. Além do pagamento em espécie, foram utilizadas offshores para o recebimento dos valores.As investigações identificaram repasses de cerca de US$ 25 milhões (cerca de R$ 88,7 milhões) para os ex-executivos da Petrobras e de cerca de US$ 31 milhões (cerca de R$ 110 milhões) para os agentes intermediários do MDB.

MANDADOS

A operação desta terça buscou cumprir 17 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e dois mandados de prisão temporária nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo.

Todos os mandados foram cumpridos, com exceção da prisão preventiva do operador Mario Miranda, que está em Portugal.

Os outros alvos da prisão preventiva foram Aluísio Teles e Ulisses Sobral, ex-executivos da área internacional da Petrobras, e Rodrigo Pinaud, contratado pela estatal para auxiliar no processo de licitação do PAC-SMS.

Os alvos dos mandados de prisão temporária foram os operadores Sérgio Boccaletti e Angelo Lauria, que se identificava como intermediário do MDB.

ESQUEMA

Segundo a Procuradoria, executivos da Odebrecht foram procurados por Aluisio Teles, da área internacional da Petrobras, que perguntou se a empreiteira teria interesse no contrato SMS. Nesse momento, já teria sido prometida propina de 3% do contrato para a "casa", representada por Teles, Ulisses Sobral e Rodrigo Pinaud, todos funcionários da estatal.

De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), os ex-executivos funcionaram como um pequeno comitê, direcionando e inflando o preço do contrato, amparados pelo ex-diretor da área internacional, Jorge Zelada.

O pagamento de US$ 24 milhões (cerca de R$ 85 milhões) ocorreu por meio de transferências em contas no exterior e sua distribuição foi feita em camadas, de forma a dificultar o rastreamento.

O operador Mario Miranda, segundo o MPF, recepcionou os US$ 24 milhões (cerca de R$ 85 milhões) em sua offshore, repassando US$ 11,5 milhões (cerca de R$ 40,8 milhões) para Teles. Teles, por sua vez, distribuiu US$ 3,9 milhões (cerca de R$ 13,8 milhões) para Ulisses que, por fim, repassou US$ 750 mil (cerca de R$ 2,6 milhões) para Pinaud.

O operador Boccaletti, de acordo com a Procuradoria, também repassou valores para Teles. Ele teria distribuído US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 4 milhões), sob a justificativa de que estaria comprando três obras de arte.

Já os mais de US$ 30 milhões (cerca de R$ 106,5 milhões) repassados aos políticos foram entregues tanto em espécie, no Brasil, quanto em contas no exterior. De acordo com a Procuradoria, os repasses foram confirmados por planilhas do setor de propina da Odebrecht e mensagens trocadas entre os envolvidos.

De acordo com o MPF, um doleiro fiel da empreiteira repassava os valores para Lauria, que teria como função entregar a quantia a políticos do MDB. Para dificultar o rastreamento, a empresa teria colocado mais um agente no fluxo de repasses: o advogado Rodrigo Tacla Duran, já denunciado pela Procuradoria e foragido na Espanha.

No sistema de contabilidade da Odebrecht, Teles era identificado como o "Acelerado", enquanto Lauria aparecia como "Meia branca" e "Voz".

Miranda, Teles, Sobral e Boccaletti tiveram, juntos, cerca de US$ 20 milhões bloqueados em contas na Suíça.

INÍCIO

A 51ª fase da Lava Jato teve início a partir de três eixos. Teles, Sobral e Pinaud já haviam sido condenados pela Justiça Estadual do Rio de Janeiro por fraude à licitação, relacionada ao contrato PAC-SMS. As provas destes autos foram remetidas para a Procuradoria-Geral da República, que encaminhou o conteúdo para a força-tarefa em Curitiba.

O segundo eixo foi a cooperação internacional, com envio de investigações das autoridades suíças. O terceiro partiu do acordo de leniência firmado pela Odebrecht, que entregou informações sobre os pagamentos.

A Procuradoria afirma que as investigações continuam e que o objetivo é recuperar integralmente os valores. O contexto em que foram oferecidas as vantagens, em 2010, coloca a hipótese de que o direcionamento do contrato esteve relacionado à busca de dinheiro para o financiamento de campanhas.

O MPF também diz que Miranda e Boccaletti foram sócios em duas empresas e receberam quantias milionárias de empreiteiras e outras empresas investigadas na Lava Jato, o que pode gerar novos desdobramentos. Com informações da Folhapress.

08 mai 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Em novo vídeo, Bolsonaro diz que deve ter alta até o final do mês

Em novo vídeo, Bolsonaro diz que deve ter alta até o final do mês

em Política

Na mensagem, ele agradece o apoio que tem recebido e diz que deve ter alta médica até o final do mês

Temer diz que novo presidente deverá seguir seu caminho na economia

Temer diz que novo presidente deverá seguir seu caminho na economia

em Política

"Dificilmente quem for eleito poderá sair deste caminho", afirmou o emedebista

Bolsonaro tem melhora clínica progressiva e inicia dieta pastosa

Bolsonaro tem melhora clínica progressiva e inicia dieta pastosa

em Política

De acordo com o hospital, candidato segue realizando exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada

Boulos diz que aceno do PT ao centro é masoquismo

Boulos diz que aceno do PT ao centro é masoquismo

em Política

Candidato do PSOL à Presidência também chamou FHC de 'hipócrita'

Anuncie