Anuncie

Desfile do Dia da Independência reúne 30 mil pessoas em São Paulo


O público lotou as arquibancadas do Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital paulista, para assistir ao desfile do Dia da Independência na manhã desta quinta (7). O espaço tem capacidade para 30 mil pessoas. As informações são da Agência Brasil.

O evento começou às 9h30 com uma Bandeira Nacional feita por flores reais. O desfile teve a participação de 8 mil pessoas. As Forças Armadas levaram para a cerimônia um total de 2,7 mil homens e mulheres, enquanto as forças de segurança pública (polícias Militar e Civil, Guarda Civil Metropolitana e outros) trouxeram 915 componentes.

A ala dos policiais militares deficientes físicos, que passaram pela avenida em cadeiras de rodas, foi aplaudida com entusiamos pelo público.

Na arquibancada em frente ao palanque das autoridades, um grupo levou faixas para pedir intervenção militar no Brasil. Os manifestantes aproveitavam os momentos de pausa das bandas que compõe a comemoração para gritar palavras de ordem pela instalação de uma nova ditadura no país.

O desfile é acompanhado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e prefeito da capital, João Doria.

07 set 2017


Por Redação

Artigos Recentes

Bonner vai trabalhar de cadeira de rodas e é criticado pelos colegas

Bonner vai trabalhar de cadeira de rodas e é criticado pelos colegas

em Fama

Muitos estão entendendo a atitude como uma forma de demonstrar que as pessoas devem se sacrificar pelo trabalho ao invés de cuidar da saúde

Governo de Brasília lança Bilhete Único e recarga de cartões pela internet

Governo de Brasília lança Bilhete Único e recarga de cartões pela internet

em Brasília

Melhorias para o transporte público foram anunciadas pelo governador Rodrigo Rollemberg e pelo secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, na manhã desta sexta (22), no Palácio do Buriti.

Temer se diz vítima de conspiração e acredita que denúncia será barrada

Temer se diz vítima de conspiração e acredita que denúncia será barrada

em Política

Para ele, só regimes de exceção aceitaram acusações sem provas, "movidos por preconceito, ódio, rancor ou interesses escusos".

Anuncie