Anuncie

Educação vai abrir primeira comunidade de aprendizagem do DF


Uma nova proposta pedagógica — que prioriza o ensino por meio de projetos — será introduzida no Distrito Federal em 2018. A iniciativa começará no Paranoá, que vai sediar a primeira comunidade de aprendizagem de Brasília.

Sem a estrutura usual de escolas que têm divisão por salas e cadeiras enfileiradas em frente a um quadro negro, a ideia é que os estudantes proponham temas e os desenvolvam por meio de projetos, oficinas e roteiros de estudo.

Os alunos serão instigados a aprender diante de problemas da comunidade, que, por sua vez, deve se envolver com o cotidiano escolar.

 

“A forma de aprender é diferente, mas o conteúdo é o mesmo previsto na Base Nacional Comum Curricular”, explica uma das idealizadoras da inovação e futura diretora da unidade, Renata Resende.

Um exemplo de como os estudantes podem aprender o mesmo conteúdo, mas por meio de temas que lhes interessem e que sejam propostos por eles mesmos, sem imposições, é a reforma de uma quadra de esportes.

Docente na regional do Paranoá, a educadora explica que os alunos podem observar a necessidade na comunidade e propor um projeto. “No desenvolvimento, teriam de calcular, por exemplo, a área a ser pintada. Essa é uma maneira de inserir o conteúdo que é obrigatório”.

Na Escola Classe Comunidade de Aprendizagem do Paranoá não haverá medição do aprendizado por meio de provas. A avaliação será feita de maneira contínua, processual e cumulativa, como já preconiza a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Para o secretário de Educação, Júlio Gregório Filho, a medida está alinhada com a necessidade de transformações no modelo pedagógico atual.

“A sociedade do século 21 não se adapta à escola que foi criada para séculos anteriores. Não vamos conseguir alterar nosso sistema atual se não abrirmos espaços para novas práticas pedagógicas”, avalia.

Ele reforça ainda que, embora a iniciativa seja experimental no DF, já existem projetos semelhantes bem-sucedidos em São Paulo, em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. “Nossos alunos não serão cobaias, há evidências científicas de que é um projeto responsável e produz uma educação de sucesso”.

Projeto atenderá 560 crianças do Paranoá
O espaço da unidade, alugado na região administrativa por R$ 38,9 mil por mês, passa por adaptações. As intervenções estão previstas no contrato e, portanto, são custeadas pelo locador, de acordo com a Secretaria de Educação.

A expectativa é que até abril a Escola Classe Comunidade de Aprendizagem do Paranoá esteja funcionando plenamente. Neste ano, ela atenderá 560 estudantes da educação infantil e dos três anos iniciais do ensino fundamental que moram na região.

O projeto começa, em fase de transição, no início do ano letivo. Mas, enquanto o local não fica pronto, os alunos terão como referência a Escola Classe 8 do Cruzeiro — onde seguirão atendidos pelo transporte escolar e reforço na merenda.

A maior parte é remanescente dessa unidade de ensino, enquanto os demais são do Centro de Educação da Primeira Infância Gavião, no Lago Norte.

A estrutura principal da Comunidade de Aprendizagem do Paranoá é dividida em três espaços amplos, semelhantes a galpões. Como o espaço é compartilhado, os estudantes não são agrupados no local de acordo com faixa etária ou ano.

Haverá ainda salas multimídia, playground, laboratório, refeitório e ateliê de artes, entre outros.

Diálogo com a comunidade
Vinte professores da rede pública do DF serão remanejados para a nova unidade do Paranoá. Familiarizados com a proposta que será implementada no local, eles foram escolhidos por adesão.

Como a participação da comunidade no processo escolar é fundamental para o novo projeto pedagógico, será feita uma apresentação em 24 de fevereiro no Paranoá, em local a definir. O diálogo com os moradores — especialmente do Paranoá Parque — foi aberto em julho passado, segundo a professora Renata Resende.

Os profissionais que vão atuar na nova escola visitaram experiências semelhantes em outras unidades da Federação. Além disso, no processo de formação têm a colaboração da Universidade de Brasília e do pedagogo português José Pacheco, que encabeçou a criação da Escola da Ponte em Portugal. Esta não tem divisão por séries, e os alunos definem áreas de interesse e desenvolvem projetos de pesquisa.

 

02 fev 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Brasil fica em penúltimo em pesquisa sobre simpatia de vendedores

Brasil fica em penúltimo em pesquisa sobre simpatia de vendedores

em Brasil

Pesquisa aponta que 79% dos funcionários sorri ao ver um cliente entrar na loja. Na Irlanda, país que ficou em primeiro lugar, o percentual é 97%.

Menina de 11 anos sente dores no estômago e descobre que está dando à luz

Menina de 11 anos sente dores no estômago e descobre que está dando à luz

em Mundo

Caso aconteceu na Espanha e polícia descobriu algo aterrorizante sobre o caso.

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

em Cultura

Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade

STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes

STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes

em Política

Cármen Lúcia avisou entidades da magistratura que deve colocar o assunto em pauta no plenário durante o mês de março

Anuncie