Anuncie

Frente ruralista no Congresso anuncia apoio a Jair Bolsonaro


Após meses de aproximação, o setor do agronegócio deu mais um passo em direção à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência. A FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária), braço congressual do setor, declarou apoio nesta terça (2) ao deputado.

"Certos de nosso compromisso com os próximos anos de uma governabilidade responsável e transparente, uniremos esforços para evitar que candidatos ligados à esquemas de corrupção e ao aprofundamento da crise econômica brasileira retornem ao comando do nosso país", disse em nota a deputada Tereza Cristina (DEM-MS), presidente da frente.

Ela esteve com Bolsonaro às 11h na casa do deputado no Rio, onde ele se recupera da facada levada no abdômen durante evento de rua em Juiz de Fora (MG), no dia 6 do mês passado.

A frente reúne 261 de 594 deputados e senadores. Historicamente ligada a candidatura do PSDB e fortemente integrada por membros do chamado centrão, a frente vinha se aproximando de Bolsonaro à medida em que a postulação de Geraldo Alckmin estagnava nas pesquisas.

O movimento, contudo, vinha desde o ano passado. Como a Folha revelou em fevereiro, representantes do tucanato junto ao setor consideravam a candidatura Bolsonaro a mais próxima do agronegócio. Um deles, o ex-assessor de Alckmin Frederico D´Ávila, filiou-se ao PSL e uniu-se à campanha de Bolsonaro.

Alckmin contra-atacou escalando Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura e muito influente no setor, para ser seu porta-voz na área. Bolsonaro, por sua vez, conta com Luiz Nabhan Garcia, presidente da UDR (União Democrática Ruralista), como conselheiro principal na área.

O tucano ainda tentou um último apelo ao setor ao escolher Ana Amélia, senadora pelo PP-RS, como sua vice. Com histórico próximo dos produtores da região Sul, ela acabou rejeitada por várias de suas lideranças, que viram na sua adesão à campanha do PSDB uma traição.

Para complicar, o tucano Marconi Perillo, ex-governador goiano e candidato ao Senado, virou alvo de operação policial —ele é muito ligado ao setor produtivo no Centro-Oeste, não por acaso a região em que Bolsonaro atinge os maiores índices de intenção de voto.

Mesmo Ciro Gomes (PDT), candidato à esquerda no espectro desta eleição, acenou ao setor ao indicar como vice Kátia Abreu (PDT). O problema para a antiga líder ruralista no setor, contudo, é a resistência que sua associação com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) gerou.

Além da importância econômica, o agro tem grande capilaridade. A Sociedade Rural Brasileira estima haver 5,5 milhões de pessoas empregadas diretamente em sua cadeia produtiva no Brasil. Se isso parece pouco, é importante lembrar que cada uma delas tem família e geralmente integra núcleos comunitários regionais, ampliando em quatro ou cinco vezes seu alcance.

O apoio oficial da FPA, "atendendo ao clamor do setor produtivo" segundo Cristina, foi costurado pelo deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Ainda que integrante de partido que dá apoio formal a Alckmin, Lorenzoni está com Bolsonaro desde o começo da campanha do presidenciável.

O pulo do gato político agora para Bolsonaro será achar um discurso que concilie sua rejeição da política tradicional e do apoio do centrão, majoritário na composição da frente ruralista, e o apoio que receberá desse setor.

Seus estrategistas trabalham com a ideia de que a adesão é ideológica, uma vez que o agronegócio é provavelmente o setor produtivo mais refratário ao petismo hoje encarnado em Fernando Haddad, e não fisiológica. Como isso se dará na prática é outra questão. Com informações da Folhapress

02 out 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

em Política

Um grupo de fiéis aliados egressos das Forças Armadas, liderado por três generais do Exército, vem ampliando seu espaço de influência na campanha de Jair Bolsonaro

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

em Política

Pelo menos 13 deputados federais e 10 senadores não conseguiram um novo mandato nas eleições e agora terão seus casos enviados para a primeira instância

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

em Política

Candidatos que aparecem em foto que viralizou na rede podem ser denunciados pelo Ministério Público

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

em Política

São recursos públicos que bancam a maior parte das campanhas

Anuncie