Anuncie

Inquérito-mãe da Lava Jato levanta questão pragmática em Sérgio Moro


O juiz federal Sergio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato no âmbito de Curitiba/PR, mandou a Polícia Federal não arquivar o ''inquérito-mãe'' da Lava Jato. O primeiro processo que deu origem à maior investigação anti-corrupção do Brasil foi aberto de 8 de novembro de 2013. De lá pra cá, a Lava Jato se deflagrou em várias fases desencadeando a prisão de vários empresários e políticos brasileiros da alta sociedade.

Os escândalos da Petrobras se iniciaram colocando o doleiro Alberto Youssef como alvo. A investigação partiu de desvio de dinheiro de cerca de R$ 1,4 milhão envolvendo o falecido ex-deputado federal José Janene (PP-PR).

Dois meses após as descobertas se iniciava um Grupo de Trabalho em que policiais atuavam de forma exclusiva na força-tarefa da Lava Jato.

Em despacho de 27 de setembro, Sérgio Moro enfatizou que a Polícia Federal deseja o arquivamento do inquérito.O delegado Igor Romário de Paula é quem decidiu arquivar o inquérito-mãe, afirmando que as ações penais em primeira instância já haviam sido concluídas.

No entanto, Moro diz que foi a partir desse inquérito que demandaram vários outros processos de forma centralizada, e com isso não seria oportuno o arquivamento por conta de ''questão pragmática''. Ao que tudo indica, manter o inquérito em aberto poderá ajudar a Lava Jato de alguma forma, sendo ele a ''base'' de todo o processo.

O primeiro inquérito foi aberto pelo delegado Márcio Adriano Anselmo, a operação nasceu de uma escuta telefônica autorizada por Sérgio Moro envolvendo o doleiro Carlos Habib Chater, o dono do Posto da Torre.

Na ocasião, Moro afirmou que depois da interceptação telefônica, as investigações atribuíram crimes a terceiros, desencadeando no escândalo da Petrobras.

Desmonte na operação

O encerramento do inquérito-mãe tem caráter simbólico, mas aconteceu após manifestações de policiais federais que sinalizaram um desmonte da equipe de investigação. Devido ao governo do presidente Michel Temer, o Ministério Público Federal e policiais não ficaram satisfeitos com o desmanche da equipe, prejudicando o andamento da Lava Jato.

A equipe contava com nove delegados, porém agora só restam quatro. No ano passado, membros da PF afirmaram que delegados que integravam exclusivamente os trabalhos da Lava Jato foram para a Delecor (Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Dinheiro). Delegados que antes eram exclusivos agora atuam com outros casos que não têm relação com a Petrobras, não sendo mais exclusivos nas investigações.

07 jan 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

em Política

Um grupo de fiéis aliados egressos das Forças Armadas, liderado por três generais do Exército, vem ampliando seu espaço de influência na campanha de Jair Bolsonaro

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

em Política

Pelo menos 13 deputados federais e 10 senadores não conseguiram um novo mandato nas eleições e agora terão seus casos enviados para a primeira instância

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

em Política

São recursos públicos que bancam a maior parte das campanhas

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

em Política

Candidatos que aparecem em foto que viralizou na rede podem ser denunciados pelo Ministério Público

Anuncie