Anuncie

Justiça revalida parte do acordo de leniência da J&F


Um mês após suspender o acordo de leniência da J&F para fins criminais, o juiz federal Vallisney de Souza, da 10ª Vara Federal em Brasília, decidiu nesta quarta-feira (11) revalidar parte do acordo firmado em junho pelo grupo e a Procuradoria da República no Distrito Federal. As informações são da Agência Brasil.

Na decisão, Vallisney diz que a sustação do acordo poderia prejudicar o andamento de investigações relativas à Operação Greenfield, que apura um esquema de desvio em fundos de pensão de empresas estatais, e a Lava Jato, além de atrasar o processo de pagamento de indenizações.

"A sustação dos efeitos da homologação pode prejudicar de fato a própria verdade real que se quer buscar com as investigações e processos criminais na Operação Greenfiels, Cui Bono (Lava Jato) e Sépis, pelo fato de que possíveis aderentes pessoas naturais podem vir a ser testemunhas ou colaboradores na investigação criminal e que, se continuar a sustação da homologação, haverá prejuízo para a Justiça Penal", argumentou Vallisney de Souza.

A decisão desta quarta, segundo o magistrado, refere-se apenas à Cláusula 13 do acordo, que trata da adesão de pessoas ao acordo para fins criminais exclusivos às operações Operação Greenfiels, Cui Bono e Sépis.

O acordo de leniência firmado com o Grupo J&F, controlador da JBS, prevê que empresa pague R$ 10,3 bilhões de multa e ressarcimento mínimo pelo esquema de corrupção envolvendo o pagamento de propina a agentes públicos. Prevê ainda que a destinação de R$ 8 bilhões a órgãos públicos prejudicados pelos atos criminosos e o restante (R$ 2,3 bilhões) para o financiamento de projetos sociais. Além disso, o acordo estabelece o pagamento da multa, ao longo de 25 anos, corrigida pelo IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo). Com isso, a previsão do Ministério Público é de que a multa, ao final, supere os R$ 20 bilhões.

No mês passado, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, anulou a imunidade penal que havia concedido ao empresário Joesley Batista, dono da JBS, e a Ricardo Saud ex-executivo da empresa. O benefício foi anulado porque Janot concluiu que Batista e Saud omitiram informações durante o processo de assinatura do acordo de delação premiada.Logo após a decisão da Procuradoria-Geral da República, a Justiça Federal em Brasília decidiu suspender o acordo de leniência da J&F para fins criminais. Com informações da Folhapress.

12 out 2017


Por Redação

Artigos Recentes

Operação investiga pagamento de R$ 160 milhões em propina pela JBS

Operação investiga pagamento de R$ 160 milhões em propina pela JBS

em Política

Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, em São Paulo, Caraguatatuba, Campos do Jordão, Cotia e Lins, durante mais um desdobramento da Lava Jato

Explosão é registrada no centro de Nova York

Explosão é registrada no centro de Nova York

em Mundo

As informações preliminares são de que a explosão ocorreu na estação de metrô da Port Authority

Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor

Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor

em Fama

Ainda não há informações sobre onde será o velório

Enquanto isso…Jovem conta moedas para pagar curso profissionalizante

Enquanto isso…Jovem conta moedas para pagar curso profissionalizante

em Cidades

Guilherme Walker, 22 anos, quita mensalidades de curso em escola de efeitos visuais com moedas e notas de dois reais

Anuncie