Anuncie

Lei torna todos assentos de ônibus e do Metrô preferenciais no DF


Todos os assentos de ônibus e do Metrô do Distrito Federal passarão a ser prioritários para idosos, grávidas, mulheres com crianças de colo e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. A novidade é determinada por uma lei publicada nesta sexta-feira (1º), que começa a valer daqui a 60 dias.

O projeto foi sancionado integralmente pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e é de autoria do deputado distrital Cristiano Araújo (PSD). Ele determina que estações e os próprios coletivos tragam avisos alertando para a nova regra.

Na prática, significa que um passageiro sentado terá de se levantar se alguma pessoa beneficiada pela medida estiver sem lugar. A lei diz que não vai ser necessário fazer nenhuma mudança estrutural nos coletivos.

Ao defender o projeto, o deputado Cristiano Araújo afirma que, por haver assentos preferenciais devidamente identificados, "muitas pessoas" acham que não é necessário ceder espaço. Para ele, a intenção é "reforçar o exercício da cidadania e o respeito ao próximo".

"Cabe ao governo fiscalizar e realizar campanhas publicitárias para orientar os passageiros", disse o deputado ao G1.

Com Informações: G1

01 set 2017


Por Redação

Artigos Recentes

Bonner vai trabalhar de cadeira de rodas e é criticado pelos colegas

Bonner vai trabalhar de cadeira de rodas e é criticado pelos colegas

em Fama

Muitos estão entendendo a atitude como uma forma de demonstrar que as pessoas devem se sacrificar pelo trabalho ao invés de cuidar da saúde

Governo de Brasília lança Bilhete Único e recarga de cartões pela internet

Governo de Brasília lança Bilhete Único e recarga de cartões pela internet

em Brasília

Melhorias para o transporte público foram anunciadas pelo governador Rodrigo Rollemberg e pelo secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, na manhã desta sexta (22), no Palácio do Buriti.

Temer se diz vítima de conspiração e acredita que denúncia será barrada

Temer se diz vítima de conspiração e acredita que denúncia será barrada

em Política

Para ele, só regimes de exceção aceitaram acusações sem provas, "movidos por preconceito, ódio, rancor ou interesses escusos".

Anuncie