Anuncie

Liberdade a Lula será analisada nesta terça pelo Supremo

Adicionar aos favoritos
04 dezembro, 2018 Por Redação

A Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) prevê julgar na tarde desta terça-feira (4) um habeas corpus, pedido pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sob o argumento de que o ex-juiz Sergio Moro, que o condenou, agiu com parcialidade e motivação política.

O fato novo para alegar a suspeição de Moro, segundo a defesa do petista, é que o ex-juiz aceitou um cargo no primeiro escalão do governo de Jair Bolsonaro (PSL), adversário político de Lula. Moro será o novo ministro da Justiça.

Lula quer sua liberdade e a anulação do processo que o condenou. "No curso das investigações da assim denominada Operação Lava Jato, o [ex-]juiz federal Sergio Fernando Moro revelou clara parcialidade e motivação política nos atos de persecução que envolveram o ex-presidente Lula", sustentam os advogados.

"Houve manifestas ilegalidades e arbitrariedades contra o paciente [Lula] com o objetivo de afetar sua imagem e sua reputação naquele período, como a sua condução coercitiva (já declarada inconstitucional por esta Suprema Corte), buscas e apreensões, interceptações telefônicas e divulgação de parte do conteúdo das conversas interceptadas, dentre outras coisas", sintetiza a defesa.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba há quase oito meses, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP). Sua pena foi fixada em 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a segunda instância da Justiça Federal.

Antes de o petista ser preso, em abril, o Supremo já negou um habeas corpus a ele. Na ocasião, o pedido foi analisado pelo plenário (composto pelos 11 ministros), e não pela turma (formada por cinco).Na última quinta (29) a PGR (Procuradoria-Geral da República) opinou pela rejeição do novo pedido de soltura.

"Quando proferiu a sentença acima mencionada [que condenou Lula], por óbvio, Sergio Moro não poderia imaginar que, mais de um ano depois, seria chamado para ser ministro da Justiça do Presidente eleito. Frise-se que a decisão de ter aceitado o convite para ser ministro da Justiça do presidente eleito pertence à esfera estritamente pessoal de Sergio Moro. A motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos", afirmou a procuradora-geral, Raquel Dodge, na última quinta (29).

A composição da Segunda Turma mudou recentemente, quando o ministro Dias Toffoli, que fazia parte dela, assumiu a presidência da corte. No lugar dele entrou na Segunda Turma a ministra Cármen Lúcia, em geral mais afinada com a Lava Jato e seu relator, Edson Fachin.

Integram o colegiado os ministros Fachin, Cármen, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Em abril, no plenário, os ministros Gilmar, Lewandowski e Celso de Mello votaram por conceder o habeas corpus a Lula -e foram vencidos por 6 votos a 5. Com informações da Folhapress.

Escrito por

Redação


Anuncie

Artigos Recentes

Moro defende apuração sobre ex-assessor do filho de Bolsonaro

Moro defende apuração sobre ex-assessor do filho de Bolsonaro

em Política

O ex-juiz federal se manifestou pela primeira vez nesta segunda-feira, 10, sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)

dezembro 10, 2018 Por Redação

Ronaldinho entrega passaporte à Justiça e suspende rolês internacionais

Ronaldinho entrega passaporte à Justiça e suspende rolês internacionais

em Esporte

O irmão do ex-jogador, o empresário Assis, também devolveu o documento

dezembro 10, 2018 Por Redação

Após completar ministros, Bolsonaro inicia 2ª fase de transição

Após completar ministros, Bolsonaro inicia 2ª fase de transição

em Política

Futuro presidente agora deve montar equipes de segundo e terceiro escalões

dezembro 10, 2018 Por Redação

Mais Médicos: vagas não são preenchidas e governo convoca novo edital

Mais Médicos: vagas não são preenchidas e governo convoca novo edital

em Brasil

Pelo menos 107 lugares na região Norte não têm interessados; a quatro dias do prazo final, metade dos profissionais inscritos ainda não se apresentou

dezembro 10, 2018 Por Redação

Anuncie