Anuncie

Líder comunitário vendia kit-invasão por R$ 12,5 mil, segundo a PCDF


R$ 12,5 mil. Esse era o valor cobrado pelo líder comunitário Alisson Borges, preso nesta quinta-feira (28/9) pela Polícia Civil do DF, pelo kit-invasão na região do Pôr do Sol, em Ceilândia. O “pacote” incluía o lote com um barraco construído em área pública. Segundo as investigações, ele comandava uma organização criminosa mantida com recursos oriundos da grilagem de terras e do tráfico de drogas.

Ainda participavam do esquema três policiais militares, um deles reformado, e um servidor da Administração Regional de Ceilândia. O negócio teria rendido R$ 2,2 milhões. Parte do dinheiro seria utilizada para bancar a campanha de Borges a deputado distrital. O caso é investigado há nove meses. A informação chegou aos policiais por meio de denúncia anônima. A polícia estima que eles “administravam” 173 lotes no Pôr do Sol.

De acordo com o delegado Victor Dan, da 23ª Delegacia de Polícia, em algumas situações, o líder chantageava os moradores ameaçando chamar a Agência de Fiscalização (Agefis). Em outros casos, até chegava a acionar as autoridades, que iam ao local e faziam as derrubadas. Entretanto, depois da ação do governo, o próprio Borges fracionava os terrenos e os revendia.

Em um vídeo obtido pelos investigadores, Alisson fala para os moradores que policiais estão envolvidos no esquema e que o dinheiro em caixa da associação chega a R$ 2,2 milhões (confira abaixo).

 

Segundo a polícia, as vendas eram feitas da seguinte forma: os que desejassem ter apenas o lote pagavam R$ 10 mil em dez parcelas de R$ 1 mil. Já os que optassem pelo “kit invasão”, teriam que desembolsar R$ 2,5 mil pelo barraco e mais R$ 10 mil do lote.

Cinco traficantes presos na operação também tinham lotes na região. “Eles faziam a segurança dos terrenos e extorquiam moradores”, disse Victor Dan. “Há casos onde uma família não conseguiu pagar pelo lote e acabou tendo a casa invadida por 15 homens armados”, contou o delegado. Cerca de dez pessoas que compraram os terrenos compareceram à delegacia de forma voluntária para prestar depoimento nesta quinta.

Operação Confraria
Durante a operação, dez pessoas foram presas e documentos apreendidos. Entre os locais que foram alvo de busca está a Associação dos Moradores do Pôr do Sol (Asmsps), comandada por Alisso Borges.

Após meses de interceptação telefônica, a polícia conseguiu identificar a ação criminosa do líder comunitário, que é ligado a diversos políticos do Distrito Federal. Influente na região, ele andava sempre ao lado de seguranças armados e em carros de luxo.

De acordo com a polícia, Alisson Borges, além de vender terras irregulares, distribuía manuais para as pessoas que compravam os lotes, com instruções sobre como construir os imóveis e se estabelecerem nos locais.

Perigosos, os integrantes do grupo alegavam que tinham influência política e, quando desconfiaram da investigação, chegaram a dizer que colocariam “no bolso” o delegado Victor Dan, insinuando que o policial não seria capaz de prendê-los.

Por medidas de segurança, os presos foram encaminhados para delegacias de outra região administrativa do DF. A polícia usou cães farejadores para realizar as buscas.

Situado ao sul da maior e mais populosa cidade do Distrito Federal, Ceilândia, o Condomínio Pôr do Sol é uma área habitacional carente de infraestrutura, que enfrenta problemas típicos de regiões que cresceram devido à ocupação desordenada do solo.

28 set 2017


Por Redação

Artigos Recentes

Portugal: 700 anos de história que arderam em um dia

Portugal: 700 anos de história que arderam em um dia

em Mundo

O país sofreu com incêndios gigantescos em 2017

MPF apresenta telefonemas entre suposto 'laranja' e amigo de Lula

MPF apresenta telefonemas entre suposto 'laranja' e amigo de Lula

em Política

O relatório, produzido por meio da quebra do sigilo telefônico de Costamarques, mostra que foram efetuadas 12 ligações entre o empresário e o advogado Roberto Teixeira

Adasa autoriza Caesb a ampliar racionamento de água para 48 horas

Adasa autoriza Caesb a ampliar racionamento de água para 48 horas

em Brasília

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) autorizou a ampliação do racionamento de água para um limite máximo de 48 horas.

PF investiga contratos suspeitos envolvendo Odebrecht e Petrobras

PF investiga contratos suspeitos envolvendo Odebrecht e Petrobras

em Brasil, Política

A Polícia Federal cumpre, na manhã desta sexta-feira (20), uma série de mandados de busca, apreensão, condução coercitiva e de prisão temporária, no âmbito da Operação Lava Jato, para investigar atos de corrupção e lavagem de dinheiro em contratos en

Anuncie