Anuncie

Metrô e CEB: serviço capenga durante greve

Adicionar aos favoritos
13 novembro, 2017 Por Redação

O fim de semana serviu para acirrar os ânimos entre os trabalhadores em greve e o Governo de Brasília. Assim, tanto a Companhia Energética (CEB) quanto a Companhia do Metropolitano (Metrô-DF) continuam a paralisação hoje. Em ambos os casos, decisões judiciais impõem a manutenção dos serviços.
Os metroviários interromperam a greve ontem e disponibilizaram oito trens com todas as 24 estações abertas, seguindo o padrão dos domingos. Segundo eles, isso foi feito “em respeito aos estudantes a caminho do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)”, mas garantiram que o movimento continua hoje. A Justiça já havia obrigado o funcionamento ontem pelo mesmo motivo. Conforme a versão da categoria, o sindicato quis montar uma operação especial para o sábado, mas o Metrô decidiu fechar as estações e não rodar.

Como agravante, o Governo de Brasília entrou na Justiça para anular cláusulas de um acordo firmado com os trabalhadores em 2015. À época, ficou acertado, dentre outras questões, que os concursados seriam chamados aos poucos, respeitando as limitações da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Agora, o governador Rodrigo Rollemberg quer revogar o acerto, proposto por sua própria gestão.

“Eles querem tumultuar o processo. Por que fariam um acordo para depois tentar anular o que eles mesmos propuseram?”, ironizou o secretário de Assuntos Jurídicos do Sindmetrô, Leandro Santos. De acordo com ele, cláusulas relativas a recomposições salariais também estariam sendo atacadas pelo governo.

Santos lamenta a “má fé” do Buriti ao tratar do tema e reafirma que Rollemberg tem a previsão legal de cumprir com o que está “acordado no termo coletivo e na sentença normativa, assinada há dois anos”.

Por meio da Procuradoria-Geral do DF (PGDF), o Governo de Brasília se limitou a responder, com uma nota, que “ aguarda o julgamento da ação de dissídio coletivo”. O órgão não entra em detalhes sobre os aspectos atacados do acordo, mas reconhece, implicitamente, que firmar o trato foi o erro, pois atualmente “o pleito dos metroviários não pode ser atendido devido à ausência de dotação orçamentária.”

O Metrô alega que não lida com as questões jurídicas do acordo, pois são “dependentes de recursos do Tesouro”. A companhia disse, porém, que, na sexta-feira, os trabalhadores não cumpriram a decisão judicial de rodar com 90% da frota, porque 20 trens funcionaram, dois a menos em relação à quantidade necessária para preencher o percentual. A categoria garante que obedece a ordem da Justiça.

Para hoje, entre 20 e 22 trens, de um total de 24, devem funcionar nos horários de pico, com todas as estações abertas. Do contrário, os servidores podem ser multados.

Chuva de pedidos de atendimento

O Sindicato dos Urbanitários (STIU-DF) garantiu que a população não sofrerá impactos diretos em virtude da chuva. A entidade acusa, porém, a CEB de demorar a dar baixa nas ocorrências atendidas pelos servidores, com intuito de maximizar a impressão de um serviço deficiente.

Por meio da assessoria, o sindicato afirmou que a greve pode tomar “novos rumos” a partir de hoje, quando uma assembleia está agendada para 9h. Eles acusam a diretoria de aprovar reajustes para si próprios na casa dos 20%, enquanto a proposta inicial aos urbanitários mal alcançou 2%.

Em uma imagem compartilhada por meio das redes sociais, sindicalistas acusam a diretoria da empresa de aprovar aumentos para si próprios equivalentes a 40% no acumulado. O sindicato não confirma, mas mostra atas de reuniões que comprovam os aumentos já aprovados em 2017.

A categoria também garante que mantém um pouco mais de 50% do efetivo em serviço, em cumprimento da decisão judicial emitida na semana passada, e chama a CEB de “sacana” por tentar jogar a opinião pública contra os trabalhadores.

A companhia se limitou a informar que entrou com ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) contra o STIU para garantir 17 equipes extras de manutenção nas ruas durante o fim de semana, formando um total de 31. Ela também disse que, até 18h45 de ontem, havia pouco mais de 1,2 mil serviços pendentes em todo o DF, mesmo número de demandas atendidas desde sexta-feira.

Saiba mais

Conforme a CEB, a distribuição de demandas pendentes durante o fim de semana no DF ficou da seguinte maneira: Região Leste (Sobradinho, Planaltina e Paranoá): 199; Região Oeste (Taguatinga, Ceilândia e Brazlândia): 477. Região Sul (Gama, Santa Maria, Samambaia e Recanto das Emas e Riacho Fundo: 270 ; Região Centro (Brasília, Lagos, Núcleo Bandeirante, Guará, Candangolândia e outras regiões administrativas não inclusas nas regiões anteriores): 270.

Escrito por

Redação


Anuncie

Artigos Recentes

Após completar ministros, Bolsonaro inicia 2ª fase de transição

Após completar ministros, Bolsonaro inicia 2ª fase de transição

em Política

Futuro presidente agora deve montar equipes de segundo e terceiro escalões

dezembro 10, 2018 Por Redação

Assessor do filho de Bolsonaro comandará a Secom, confirma Bebianno

Assessor do filho de Bolsonaro comandará a Secom, confirma Bebianno

em Política

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) será comandada pelo publicitário Floriano Barbosa de Amorim Neto, assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

dezembro 10, 2018 Por Redação

Mais Médicos: vagas não são preenchidas e governo convoca novo edital

Mais Médicos: vagas não são preenchidas e governo convoca novo edital

em Brasil

Pelo menos 107 lugares na região Norte não têm interessados; a quatro dias do prazo final, metade dos profissionais inscritos ainda não se apresentou

dezembro 10, 2018 Por Redação

Onyx: 'Há um certo estardalhaço' sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Onyx: 'Há um certo estardalhaço' sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro

em Política

A declaração foi dada durante entrevista ao programa Canal Livre, da Band, exibida na madrugada desta segunda-feira, 10

dezembro 10, 2018 Por Redação

Anuncie