Anuncie

Ministro do STF rejeita delação de marqueteiro e critica PGR


Oministro Ricardo Lewandowski, do Supemo Tribunal Federal (STF), devolveu a delação premiada do marqueteiro Renato Pereira à Procuradoria-Geral da República e pediu endurecimento nos benefícios concedidos ao delator. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Para o magistrado,os termos fechados pelo ex-vice procurador-geral José Bonifácio foram excessivamente favoráveis a Pereira. A Procuradoria concordou em perdoar todos os oito fatos de corrupção relatados pelo delator, "à exceção daqueles praticados por ocasião da campanha eleitoral para o governo do Estado do Rio de Janeiro no ano de 2014".

Como o marqueteiro citou supostas ilegalidades envolvendo a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), o caso foi atrelado ao Supremo.

Lewandowski considerou baixa a multa de R$ 1,5 milhão a que o delator foi condenado a pagar em até 18 meses. O ministro alega que cabe ao Judiciário "apreciar se o montante estimado é o suficiente para a indenização dos danos causados pela infração, considerados os prejuízos sofridos pelo ofendido [erário e povo brasileiro]".

A Procuradoria propôs ainda pena unificada de 4 anos de reclusão, sendo que o primeiro ano seria de recolhimento domiciliar noturno por um ano, das 20h às 6h. Nos anos seguintes, ele teria de cumprir 20 horas semanais de serviço comunitário. O delator poderia viajar para o Brasil e para o exterior, a trabalho ou para visitar parentes, durante os últimos três anos.

Na avaliação do ministro, algumas cláusulas chegam a ser inconstitucionais. Ele afirma que o Ministério Público não pode agir como Judiciário e que cabe apenas a um juiz definir pena ao réu.

"Inicialmente observo que não é licito às partes contratantes fixar, em substituição ao poder judiciário e de forma antecipada a pena privativa de liberdade e o perdão de crimes ao colaborador", escreveu Lewandowski.

14 nov 2017


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

em Política

Um grupo de fiéis aliados egressos das Forças Armadas, liderado por três generais do Exército, vem ampliando seu espaço de influência na campanha de Jair Bolsonaro

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

em Política

Pelo menos 13 deputados federais e 10 senadores não conseguiram um novo mandato nas eleições e agora terão seus casos enviados para a primeira instância

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

em Política

Candidatos que aparecem em foto que viralizou na rede podem ser denunciados pelo Ministério Público

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

em Política

São recursos públicos que bancam a maior parte das campanhas

Anuncie