Anuncie

Ministro não levará a plenário prisão na 2ª instância e complica Lula


Para que o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja julgado, em breve, no Supremo Tribunal Federal (STF), como querem os advogados dele, é necessário que um dos ministros da Corte leve a plenário, em mesa, dois casos genéricos de réus comuns sobre o mesmo assunto.

Dessa forma seria fixada a tese e, só então, seria recomendado julgar habeas corpus de casos concretos, como o do ex-presidente.

O problema para Lula é que o ministro Ricardo Lewandowski, que tem em suas mãos dois desses casos envolvendo habeas corpus, já disse que não vai levá-los em mesa. Levar em mesa, na linguagem jurídica, significa apresentar o processo pronto para julgamento, durante sessão no plenário da Corte, sem a necessidade de agendamento prévio da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

Para justificar a sua decisão, Lewandowski argumenta que os dois habeas corpus sob sua relatoria já foram enviados para julgamento em plenário e estão com liminares concedidas.

Outra alternativa para o ex-presidente seria que o ministro Edson Fachin, relator do habeas corpus de Lula no Supremo, levasse o processo em mesa. Mas este também já disse que não o fará, e já enviou o caso para o plenário. Isso quer dizer que, agora, a decisão de incluí-lo na pauta está nas mãos de Cármen Lúcia.

De acordo com O Globo, outros dois ministros da Corte foram ouvidos, em caráter reservado, e concordam com esse procedimento. Enquanto isso, a pressão para Cármen Lúcia pautar as ações cresce dentro e fora do tribunal, especialmente depois que Lula foi derrotado no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Com isso, aumenta a cada dia a chance de ele ter a prisão determinada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

O cenário atual no Supremo sobre a prisão após condenação em 2ª instância é de impasse. Os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello são contra a execução imediata ou entendem que a prisão só poderia ocorrer após decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Já Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e a presidente, Cármen Lúcia, são a favor do cumprimento após a segunda instância.

09 mar 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Em novo vídeo, Bolsonaro diz que deve ter alta até o final do mês

Em novo vídeo, Bolsonaro diz que deve ter alta até o final do mês

em Política

Na mensagem, ele agradece o apoio que tem recebido e diz que deve ter alta médica até o final do mês

Temer diz que novo presidente deverá seguir seu caminho na economia

Temer diz que novo presidente deverá seguir seu caminho na economia

em Política

"Dificilmente quem for eleito poderá sair deste caminho", afirmou o emedebista

Bolsonaro tem melhora clínica progressiva e inicia dieta pastosa

Bolsonaro tem melhora clínica progressiva e inicia dieta pastosa

em Política

De acordo com o hospital, candidato segue realizando exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada

Boulos diz que aceno do PT ao centro é masoquismo

Boulos diz que aceno do PT ao centro é masoquismo

em Política

Candidato do PSOL à Presidência também chamou FHC de 'hipócrita'

Anuncie