Anuncie

Ministro quer vetar plano que libera 40% do ensino médio a distância


O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), disse nesta terça-feira (20) que vetará a proposta de liberar 40% de aulas a distância no ensino médio caso ela seja aprovada no CNE (Conselho Nacional de Educação).

A Folha de S.Paulo revelou nesta terça que o CNE já discute uma nova resolução de atualização da Diretrizes Nacionais Curriculares do Ensino Médio, onde consta essa previsão. Para a Educação de Jovens e Adultos, a abertura prevista é de 100% para atividades a distância.

A reportagem da Folha de S. Paulo questionou o MEC na sexta-feira (16) sobre o tema por meio da assessoria de imprensa da pasta. Pediu posicionamento específico sobre a proposta de ensino a distância. O ministério, no entanto, se limitou a responder que o CNE era o órgão responsável pela discussão e que aguardava a conclusão para homologação.

Após a publicação da reportagem pela Folha de S.Paulo, Mendonça disse que não havia sido consultado sobre o assunto, ressaltando que não concorda com a abertura de 40% da carga horária para atividades remotas. "O governo não quer isso, não foi discutido no MEC. Não concordo e não passará", disse. "O debate no CNE é livre, e eu até desconheço a proposta. Quem fala pelo MEC é o ministro."

O texto da atualização das Diretrizes foi apresentado no CNE pelo relator da proposta, Rafael Lucchesi, e pelo presidente do CNE e secretário estadual de Educação de Santa Catarina, Eduardo Deschamps, no último dia 6.

O conteúdo foi debatido anteriormente com membros do MEC. Nesta reunião, o secretário de Educação Básica do MEC, Rossieli Soares, esteve presente. O titular desse cargo tem assento no conselho.

A abertura a atividades remotas no ensino médio já havia sido permitida pela reforma do ensino médio, aprovada pelo governo Michel Temer em fevereiro de 2017. O que as novas Diretrizes trazem é uma regulamentação de carga horária.

O CNE é um órgão de assessoramento do MEC. As diretrizes ainda estão em debate no CNE e a aprovação é esperada ainda para este semestre. Decisões importantes aprovadas no órgão devem ser homologadas pelo ministério.

Em nota encaminhada após a publicação da reportagem pela Folha de S.Paulo, o MEC afirmou que o órgão não encaminhou a sugestão formal ao CNE e que "discorda dessa proposta". "Não é verdade tal afirmação [de que o governo que liberar 40% do ensino médio a distância]", diz a nota.

Mendonça Filho já declarou que vai se candidatar nas próximas eleições e deixará o MEC até o início de abril.

A reforma do ensino médio também definiu a flexibilização do currículo. Parte da grade deve ser cursada a partir da escolha dos alunos entre cinco áreas (se houver oferta): matemática, linguagens, ciências da natureza, ciências humanas e ensino profissionalizante. Essa parte flexível deve responder a 40% da carga horária total.

Com as mudanças previstas nas diretrizes, portanto, todo esse bloco poderia ser oferecido a distância. O texto das Diretrizes afirma que atividades a distância, com apoio de tecnologia digital ou não, podem incidir sobre qualquer conteúdo ou disciplina.

Crítico da própria reforma do ensino médio, o presidente do Consed (conselho que reúne os secretários estaduais de Educação), Idilvan Alencar, disse ter ficado completamente surpreso com a proposta em discussão, sobre a qual disse ser "veementemente contra".

"É fundamental nessa etapa a relação aluno e professor. Sou a favor de debates, mas tem assuntos que precisamos fechar as portas", disse ele, que é secretário de Educação do estado do Ceará. "Os educadores precisam se posicionar, porque isso significa precarização."

A nota do MEC encaminhada nesta terça-feira diz ainda que o CNE é "um órgão independente e tem autonomia para propor sobre o tema". Diz ainda que a discussão das novas Diretrizes não tem prazo para ser finalizada e passará por audiência pública. Com informações da Folhapress. 

20 mar 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Ministério Público contesta 2.636 registros de candidaturas

Ministério Público contesta 2.636 registros de candidaturas

em Política

278 são decorrentes de condenações por órgão colegiado do Poder judiciário e 174 de rejeições de contas públicas por tribunais de contas

GPS acompanhará todos os candidatos presidenciais, diz Jungmann

GPS acompanhará todos os candidatos presidenciais, diz Jungmann

em Política

Ministro da Segurança Pública disse que sistema vai permitir deslocamento mais ágil da polícia em caso de conflitos

Luiz Marinho pede 'Lula Livre' e ouve gritos de 'Bolsonaro'

Luiz Marinho pede 'Lula Livre' e ouve gritos de 'Bolsonaro'

em Política

Candidato petista ao governo estadual fez caminhada no centro de São Paulo

Justiça eleitoral concede direito de resposta a Bolsonaro

Justiça eleitoral concede direito de resposta a Bolsonaro

em Política

Na resposta, a campanha de Bolsonaro afirma que ele votou contra a PEC por entender que a mudança geraria desemprego, o que, segundo ele, de fato aconteceu

Anuncie