Anuncie

Redução de IPVA rendeu 'bônus' de R$ 13 mi a Cabral


O desconto de 50% no IPVA concedido pelo ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) às empresas de ônibus rendeu um "bônus" de propina ao peemedebista de R$ 13 milhões, afirmou o Ministério Público Federal -Vé o maior valor de propina paga ao peemedebista entre as denúncias de que ele é alvo.

A informação consta na 13ª denúncia contra o ex-governador, movida em decorrência das investigações da Operação Ponto Final. Ele teria recebido no total R$ 144,7 milhões entre 2010 e 2016.

O desconto concedido por Cabral tramitou por apenas um dia nos gabinetes do Estado, como revelou a Folha de S.Paulo em junho. O decreto gerou uma renúncia fiscal estimada de R$ 36 milhões.

"Não havia qualquer estudo sobre a redução na tarifa com esse desconto. As tarifas foram reajustadas pelo IPCA como sempre foram", afirmou a procuradora Marisa Ferrari.

Para o MPF, o desconto é uma prova de ato de ofício feito em decorrência do pagamento de propina, o que pode aumentar uma eventual pena em um terço. Ferrari afirma ainda que o caso se torna mais grave pelo fato do decreto ter sido considerado inconstitucional pelo Tribunal de Justiça. "Foram atos ilegais com infração de dever funcional", disse Ferrari.

De acordo o procurador regional José Augusto Vagos, o repasse de R$ 13 milhões em janeiro de 2014 destoou das transferências habituais mensais, que iam de R$ 400 mil a R$ 1 milhão.

"Nesse mês, os valores repassados foram totalmente díspares ao que era repassado normalmente", disse Vagos.Esse dinheiro todo era controlado pelo doleiro Álvaro Novis dentro das transportadoras Trans Expert e Prosegur. Ele firmou delação premiada e detalhou os repasses.

O MPF ofereceu à Justiça mais duas denúncias contra o ex-governador e mais 23 pessoas foram denunciadas. Essas são a 13ª e 14ª denúncia contra o peemedebista, que se encontra preso desde o ano passado. A Operação Ponto Final foi deflagrada pela Polícia Federal no dia 5 de julho.

"Fica difícil imaginar o final [das investigações]. Basta ver o organograma das secretarias", disse o procurador Leonardo Freitas.Os procuradores rejeitaram também as queixas da defesa de Cabral sobre o volume de denúncias contra o ex-governador.

"O Ministério Público Federal não cria fatos. Está cada vez mais claro que Sérgio Cabral foi líder de uma organização criminosa que saqueou os cofres públicos. É exclusivamente por sua atuação o número de denúncias", disse Vagos.

Ele afirmou que as investigações da Ponto Final geraram duas denúncias para agilizar o andamento dos processos. Uma narra os atos de ofício de Cabral, e outra do ex-presidente do Departamento de Transporte Rodoviários do Rio Rogério Onofre, pelos quais o peemedebista também é responsabilizado. Com informações da Folhapress.

08 ago 2017


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

Oficiais ganham força na campanha de Bolsonaro

em Política

Um grupo de fiéis aliados egressos das Forças Armadas, liderado por três generais do Exército, vem ampliando seu espaço de influência na campanha de Jair Bolsonaro

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

23 parlamentares envolvidos na Lava Jato que perderão foro privilegiado

em Política

Pelo menos 13 deputados federais e 10 senadores não conseguiram um novo mandato nas eleições e agora terão seus casos enviados para a primeira instância

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

Marielle: homem que quebrou placa já foi secretário de Direitos Humanos

em Política

Candidatos que aparecem em foto que viralizou na rede podem ser denunciados pelo Ministério Público

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

Candidatos já gastaram R$ 100 mi com militância e mobilização de rua

em Política

São recursos públicos que bancam a maior parte das campanhas

Anuncie