Anuncie

Raquel Dodge quer Pedro Corrêa de volta à cadeia por Mensalão

Adicionar aos favoritos
08 fevereiro, 2019

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, encaminhou, na quinta-feira, 7, ao Supremo Tribunal Federal, pedido para que o ex-deputado federal Pedro Corrêa volte ao presídio para cumprir o restante da pena imposta ao político no julgamento do Mensalão. Para viabilizar a medida, a procuradoria-geral manifestou-se pela suspensão da execução das penas decorrentes do acordo de colaboração firmado por Corrêa no âmbito da Operação Lava Jato.

Segundo a Procuradoria, a "manifestação é endereçada ao ministro Roberto Barroso, que é o relator da execução da pena do Mensalão". "Caberá a ele decidir como Pedro Corrêa deverá cumprir as duas sanções: a do Mensalão e a decorrente do acordo de colaboração. No caso do Mensalão, a pena foi de 7 anos e 2 meses, inicialmente em regime semiaberto."

No entanto, em 2015, o STF determinou a regressão de regime, para o fechado, após solicitação da Procuradoria-Geral da República (PGR). O motivo foi a descoberta da prática de crime doloso pelo condenado que, à época, também estava inadimplente em relação à multa aplicada no julgamento. "Em relação à sanção estabelecida no âmbito da colaboração premiada, embora haja a possibilidade de condenação à pena máxima de 20 anos, 3 meses e 10 dias de reclusão, Pedro Corrêa deveria cumprir dois anos em regime fechado - contados da data da celebração do acordo -; um ano em prisão domiciliar, com monitoramento eletrônico; e mais um ano sem monitoramento. Essa pena começou a ser cumprida na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Em março de 2017, após a defesa alegar problemas de saúde, Pedro Corrêa teve autorização judicial para cumprir prisão domiciliar, inclusive, sem o monitoramento eletrônico", afirma a PGR.

Segundo a Procuradoria, a "manifestação encaminhada no âmbito da Execução Penal 16 (Mensalão), a procuradora-geral da República chama atenção para os reflexos da execução da sanção decorrente da colaboração premiada na pena estabelecida na AP 470, frisando a importância da retomada dessa sanção específica".

Raquel afirma que o cumprimento da pena pelo Mensalão está suspenso desde 10 de março de 2016, quando começaram a ser executadas as sanções premiais. "No que diz respeito à AP 470/MG, Pedro Corrêa cumpriu, em regime fechado (após a regressão) cerca de 4 meses de reclusão", destaca. De acordo com a procuradora-geral, o Corrêa "cumpriu até o momento, 2 anos e 3 meses dos 7 anos e 2 meses impostos pelo STF".

Para Raquel, a retomada da pena deve se dar no regime estabelecido em 2015, pelo Plenário da Suprema Corte, que confirmou entendimento prévio do relator. "Para além desse reinício de contagem, a progressão de regime na AP 470/MG somente deve ser implementada na hipótese de o sentenciado pagar a pena de multa estabelecida, condição imposta a todos os demais condenados na mesma ação penal."

Raquel Dodge afirma que "depois de cumprida a pena do Mensalão - ou atingido o estágio de compatibilidade -, Corrêa poderá retomar os benefícios previstos no acordo de colaboração premiada para cumprir a pena no âmbito da Lava Jato'. A procuradora-geral 'também requer que a execução da pena referente à Operação Lava Jato permaneça sob a responsabilidade da 12ª Vara Federal, que já acompanha o caso". "A PGR pede ao STF que Pedro Corrêa seja avaliado por junta médica oficial para averiguar o atual estado de saúde, e, ainda, se há possibilidade de tratamento médico dentro do sistema prisional."

Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido um posicionamento da defesa do citado. Com informações do Estadão Conteúdo. 


Anuncie

Artigos Recentes

Governadores querem Fundeb permanente na Constituição e União mais colaborativa

Governadores querem Fundeb permanente na Constituição e União mais colaborativa

em Brasília

Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica expira em 2020 e deixa estados em alerta

abril 23, 2019 Por Kennedy Medeiros

GDF estuda firmar convênios para suprir demanda por creches

GDF estuda firmar convênios para suprir demanda por creches

em Brasília

Primeira-dama em exercício, Ana Paula Hoff, prestigiou lançamento da Frente Parlamentar da primeira infância e diz que governo quer ampliar serviços com ajuda do terceiro setor

abril 22, 2019 Por Kennedy Medeiros

Restaurantes comunitários oferecem cardápio especial para celebrar os 59 anos de Brasília

Restaurantes comunitários oferecem cardápio especial para celebrar os 59 anos de Brasília

em Brasília

Opções são inspiradas nos pratos mais apreciados pelo ex-presidente e fundador da capital, Juscelino Kubitschek

abril 22, 2019 Por Kennedy Medeiros

Governo treina brigadistas para a temporada de secas e queimadas no Distrito Federal

Governo treina brigadistas para a temporada de secas e queimadas no Distrito Federal

em Brasília

Ao todo serão capacitados 95 voluntários para atuar no período de seca, que inicia entre julho e novembro deste ano

abril 22, 2019 Por Kennedy Medeiros

Anuncie